Ovócito

pesquisar

 
Terça-feira, 28 / 05 / 13

Relacionamento equilibrado entre pais e filhos

O ser humano passa por diferentes fases de crescimento que vão desde a infância até à terceira idade, passando pela adolescência e a vida adulta.

Durante a adolescência verificam-se alterações em determinados comportamentos sendo que algumas fazem parte do processo normal do crescimento, contudo outras podem indicar que algo não está bem. Perante esta situação os pais podem ficar inseguros em relação aos seus papéis (de Pai e Mãe).


 

 

 

 

 


Aqui ficam algumas atitudes que os pais devem adoptar em relação aos seus filhos e que poderão facilitar o seu relacionamento:

 

- Comunicar (falar abertamente e saber ouvi-los)

- Estabelecer regras e limites (tendo sempre em conta a sua idade)

- Valorizar as suas pequenas conquistas (por ter aprendido a atar os ténis, pelo golo que marcou no treino de futebol, pelo "Bom" a Matemática, etc.)

- Ajudá-los a definir objectivos em relação ao futuro (de forma a que façam as escolhas mais acertadas e quando não se verifica, responsabilizá-los pelos seus actos e decisões)

- Participar e estar atento à sua vida escolar

- Conhecer os seus amigos 

 

É verdade que todos nós precisamos de regras e limites, enquanto indivíduos inseridos numa comunidade e as crianças e os adolescentes não são excepção! Mas também é verdade que precisamos de mimo, de atenção e de carinho desde sempre! Como tal dê muito colo ao seu filho desde o seu nascimento e não fique preocupado porque pelo menos até aos 7 meses de idade o colo não vicia ninguém! 


 

 

 

 



 

publicado por Ovócito às 20:43
Sábado, 25 / 05 / 13

Prevenir o eritema das fraldas

Pelo facto dos bebés não terem controlo dos esfíncteres necessitam de usar fralda.


A humidade e o contacto da pele com as fezes e urina podem provocar inflamação dos genitais e nádegas. Esta situação é frequente, porém algumas estratégias podem ser implementadas de modo a prevenir o eritema das fraldas.  


 

A prevenção faz-se sobretudo através da higiene! Assim sendo a fralda deve ser mudada sempre que se encontre suja e em seguida a pele tem que ser limpa.


As toalhitas de limpeza até podem parecer muito práticas, mas na verdade contêm químicos que podem lesionar a pele do bebé. Recomenda-se a sua utilização apenas em situações esporádicas (um passeio pelo jardim, pelo centro comercial, etc).

É preferível que após cada muda de fralda a pele seja lavada com água corrente (a utilização do lavatório da casa de banho é uma óptima opção) e sabão (por exemplo o sabonete de glicerina, cujo preço é acessível, tem pH neutro e o cheiro é super agradável). Importante relembrar que é necessário secar muito bem a pele, principalmente as pregas!


A utilização de pomadas à base de óxido de zinco criam uma barreira protectora para a pele, evitando assim o seu contacto directo com a humidade e prevenindo lesões. A sua aplicação deve ser feita somente depois de lavar a pele.


Claro que todos os pais querem o melhor para o seu bebé! Cuidar da pele coberta pelas fraldas é rápido e até económico. E certamente mais fácil do que tratar um eritema! 

publicado por Ovócito às 14:01
Quinta-feira, 23 / 05 / 13

Ovócito

     Este blog tem como objectivo transmitir, em especial às (futuras) mamãs, e ao público em geral, conceitos básicos de Pediatria e cuidados de Enfermagem para a saúde e bem-estar das crianças. 

     

     Esperamos agradar e ajudar de alguma forma a acabar com dúvidas e mitos sobre este vasto tema.

 

     Agora, devem estar a perguntar o porquê do nome "Ovócito", pois é! Porque tudo começa com a ovogénese, o processo biológico da formação das células reprodutoras femininas.

 

     Este processo tem início na vida intra-uterina, continuando de forma cíclica durante durante a puberdade (ciclo menstrual) e terminando na menopausa.

 

     A ovogénese passa por três fases: (1) o período germinativo, (2) o período de crescimento e (3) o período de maturação. Neste período, são formados os ovócitos (I e II) que se fecundarem passam a óvulos e, caso contrário, são expulsos pela mentruação. 

 

publicado por Ovócito às 14:49
Terça-feira, 21 / 05 / 13

Amamentar após os 12 meses de idade


A OMS recomenda que até aos seis meses de idade, a criança seja alimentada com leite materno exclusivamente A partir desta idade todas as crianças devem iniciar uma alimentação diversificada e manter o aleitamento materno pelo menos até completarem os dois anos de idade.

Na nossa cultura algumas pessoas ficam desconfortáveis com o facto de uma criança ser amamentada e, infelizmente, este preconceito parece aumentar à medida que a criança cresce. Esta situação provavelmente está relacionada com o facto da mama ter uma conotação sexual.

Obviamente que a decisão de continuar a amamentar, para além dos doze meses, é pessoal! Contudo, aqui ficam algumas boas razões para continuar:


 

- fortalece a ligação mãe-filho

- prático e conveniente (o leite está sempre pronto a qualquer hora e lugar; não há necessidade de andar com bolachas, iogurtes, fruta e/ou outros snacks sempre que sair de casa)

- acalma e consola após uma situação traumática (seja a administração de uma vacina, uma queda, um susto...)

- contém nutrientes que continuam a ser importantes para a dieta da criança

- previne alergias e reforça o sistema imunitário da criança

- previne a desidratação em caso de doença (as crianças quando ficam doentes normalmente perdem o apetite, mas raramente recusam ser amamentadas)

- ecológico (não há utensílios para lavar, menor produção de embalagens) 


 

Deste modo, o que será então prioritário para as (futuras) mães: A saúde e o bem-estar do seu filho ou uma sociedade sem informação!?



 


 


publicado por Ovócito às 17:20
Este blog tem como objectivo transmitir, em especial às (futuras) mamãs, e ao público em geral, conceitos básicos de Pediatria e cuidados de Enfermagem para a saúde e bem-estar das crianças.

mais sobre mim

Maio 2013

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
24
26
27
29
30
31

arquivos

2013

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro